Democratização da Comunicação, Reformas de Base e Direitos Humanos

10 de janeiro de 2012

Marinha de Guerra do Brasil(?) viola direitos e ameaça quilombolas na Bahia



Canudos é aqui, entre Salvador e Simões Filho, na Baía de Aratu. Este filme mostra que a Marinha do Brasil deflagrou nesta região guerra a um grupo de famílias negras descendentes de escravos que por ali vivem há mais de duzentos anos. No filme os quilombolas denunciam as atrocidades de que tem sido vítimas. - com informações do Jornal A Verdade

Com o objetivo de cumprir a legislação nacional e internacional sobre comunidades quilombolas, representantes da Fundação Cultural Palmares (FCP) se reuniram, na última quinta-feira (5), com membros da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir) e do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). O tema do encontro foi o Quilombo Rio dos Macacos, do Estado da Bahia, sob ameaça da Marinha de Guerra do Brasil.
O órgão das forças armadas disputa judicialmente a área pertencente à comunidade a fim de utilizá-la para a ampliação de sua Base Naval de Aratu. No último mês de novembro, a Marinha conseguiu uma ordem para despejar os moradores da comunidade, a decisão foi adiada por quatro meses para que as instituições competentes à proteção de Rio dos Macacos se manifestassem.
Voltada à garantia de defesa do quilombo, diante do vencimento do prazo de suspensão do processo judicial de reintegração de posse, a comissão em parceria com outros órgãos do Governo Federal decidiu reforçar as negociações com o Ministério da Defesa. De acordo com a Procuradora Federal junto à FCP, Dora Lúcia de Lima Bertúlio, a repercussão será encaminhada à Secretaria-Geral da Presidência da República para avaliação. “A Fundação Palmares mantêm a diretriz de defesa dessa comunidade no sentido de garantir-lhe seus direitos, para sua melhor qualidade de vida e preservação de seus valores ancestrais”, explica.
Rio dos Macacos – Situada no município de Simões Filho, a comunidade de remanescente de escravos tem mais de 200 anos de existência e foi certificada pela Fundação Cultural Palmares no ano de 2010. Na década de 1960 começou a ser pressionada pela instalação e crescimento da Base Naval de Aratu, que passou a construir casas para oficiais no seu território.
Com pouco mais de 50 famílias, a comunidade vive sob um regime de tensão e violência. Segundo relatos dos moradores, as crianças são inibidas de frequentarem a escola e as pessoas de mais idade têm medo de sair de casa por não saberem se terão para onde voltar. Temem que derrubem as casas onde nasceram. Alguns dos quilombolas têm cerca de 100 anos de idade e não conhecem outra realidade senão a da própria comunidade.
Os homens da comunidade são proibidos de plantar para a subsistência. As roças são cada vez menos trabalhadas por conta das ameaças. Em algumas das casas moram duas ou três famílias, pois os quilombolas também estão proibidos de construir.
Pedido de socorro – Na última segunda-feira (2), os quilombolas aproveitaram a presença da presidenta Dilma Rousseff que estava em férias na Base Naval de Aratu para protestar. Os manifestantes estiveram no limite da Praia de Inema, exclusiva para militares, de onde tentaram atrair a atenção da presidenta. Com instrumentos de percussão e faixas denunciaram as agressões a que estão expostos. - Por Daiane Souza no Palmares Fundação Cultural

4 comentários:

  1. ameaças ,vigilância e exclusão . nossos fortes e resistentes quilombolas depois de seus antepassados terem sofrido com a escravidão aberta ,agora vivem o capitalismo de exclusão .são proibidos de construir e até suas plantações são feitas com medo .o capitalismo não quer gente que viva por si mesma e tenha sua vida livre .ele -o capitalismo -quer gente que produza ,mas para o capital alheio .como diz um trecho da internacional comunista ,somos trabalhadores fortes e fecundo ,pertence a terra aos produtivos. se tudo que se produz sai da terra ,por que o produtor,trabalhador ,povo é tão excluido de sua riqueza ? nada está pronto !!tudo se faz!!!. mentir dizendo que eles ,os militares da marinha vão proteger o povo é enganar e mentir . dois crimes contra o povo- falta de instrução e informação - . o povo sabe de suas necessidades e suas vidas não precisa de grandes invenções tecnológicas ,mas terra ,escola ,saúde o básico para viver . viva a resistência quilombola ! viva a imprensa alternativa ! o povo é livre ,sua prisão não passa mentiras ,então que se tenha educação .ps :souza um ano de vitórias e saúde . abraço camarada . joseilton s.mendes . e obrigado pelo espaço que foi dado ao jornal a verdade .

    ResponderExcluir
  2. Caro Joseilton S. Mendes, obrigado por comentar e me honrar com tua presença aqui no blogue. Quanto ao que você escreveu, concordo e assino em baixo. E gostaria de acrescentar que se realmente vivêssemos uma democracia, estes militares que cometem estas covardias com os quilombolas seriam presos, julgados e punidos. A luta por soberania e justiça continua. O processo é lento mas acredito que possamos chegar lá.

    ResponderExcluir
  3. nada eu que agradeço . não sei se tens acompanhado ,mas lá vai uma dose de indignação . comunidade do pinheirinho em são paulo tinha oito anos de resistência -ocupava uma area da empresa falida selecta do naji nahas -gente pobre sem ter onde ir ,foi brutalmente despejada para "abrigos de chão de terra batida e sem condições sanitárias adequadas , sem colchão ate´. daniel dantas ,banqueiro teve de volta vinte e sete fazendas e algumas cabeças de gado ,que estavam sob cuidados do estado -na verdade propriedade foi confiscada numa operação da polícia federal .-a comunidade do pinheirinho e essas fazendas -também chegaram a ser ocupadas por movimentos pelo direito à terra - tem em comum um mesmo destino :uma espécie de indenização . os seus proprietários tiveram processos arquivados pelo supremo tribunal federal em 2011 . a operação da pf-2009- que os criminalizava por formação de quadrilha ,lavagem de dinheiro .. o estado brasileiro atuou em prol de gente rica e com processos arquivados .deixando a oportunidade de resolver em parte dois problemas sem teto e sem terra . uma operação gigantesca da pm de são paulo foi montada para desalojar pobres e miseráveis . é o capitalismo mostrando a cara !em poucas mãos terras e outras tantas mãos sem nada só a força de trabalho .a exploração a que somos submetidos nesse sistema não pode mais existir !nossa urgência em fazer a revolução socialista grita . temos aqui duas notícias ,dois problemas e um estado -o dos ricos . só uma coisa o naji nahas ,daniel dantas e celso pita foram presos e ficaram menos 72 horas ,graças ao amigo pessoal gilmar mendes do stf . de novo abrigado e vamos sim fazer a revolução .pinheirinho resiste !

    ResponderExcluir
  4. Gente comunique esse fato vergonhoso imediatamente a: COMISSAO INTEREMERICANA DE DIREITOS HUMANOS - CIDH - OEA os Senhores verao que vai surgir efeito com essa raca podre de milicos que se acham acima de qualquer Lei.. boa sorte

    ResponderExcluir