Democratização da Comunicação, Reformas de Base e Direitos Humanos

29 de janeiro de 2012

Argentina retoma em fevereiro os julgamentos de militares e civis por crimes da ditadura

A Justiça da Argentina retoma, a partir da segunda semana de fevereiro, o julgamento de vários processos contra ex-militares e civis acusados de cometer crimes contra a humanidade, como assassinatos e tortura, durante o período do regime militar (1976-1983). A ditadura argentina é apontada como uma das mais sangrentas da América Latina, tendo deixado um saldo estimado de 30 mil mortos.

O primeiro processo será apreciado a partir do dia 9 pelo Tribunal Criminal Federal de Mar del Plata. Os ex-militares Julio Alberto Tommasi, Roque Ítalo Pappalardo e José Luis Ojeda, além dos civis Emilio Felipe Méndez e Julio Manuel Méndez serão julgados pelo sequestro, tortura e morte do advogado trabalhista Carlos Alberto Moreno.

Já o julgamento de Pedro Nolasco Bustos, Jorge Vicente Worona y José Filiberto Olivieri está previsto para começar no dia 14, em Córdoba. Segundo a agência pública de notícias argentina, Telam, os três ex-policiais faziam parte do grupo acusado de deter e fuzilar estudantes universitários militantes da Juventude Peronista (JP) Ana María Villanueva, Jorge Manuel Diez e Juan Carlos Delfín Oliva, em 1976.

Por fim, no dia 27 de fevereiro, deve ter início o julgamento dos envolvidos no chamado Massacre de Juan B. Justo, nome da rua onde ficava a casa em que, também em 1976, foram mortos Omar Amestoy, a mulher dele, Maria del Carmen Fettilini, dois filhos do casal (um menino de três anos e uma menina de cinco) e Ana María Del Carmen Granada. Respondem pelos crimes de privação de liberdade, tortura e homicídios o ex-coronel Manuel Fernando Saint Amant, o ex-policial Antonio Federico Bossie e o ex-comissário geral Jorge Muñoz.

Um dos julgamentos de maior repercussão, contudo, deverá ser o do general Jorge Rafael Videla, que governou o país entre 1976 e 1981. Videla já foi condenado pela Justiça argentina, em dezembro de 2010, à prisão perpétua por crimes de lesa-humanidade, como o assassinato de 31 presos políticos.

Ainda de acordo com a Telam, entre os vários acusados que serão julgados ao longo do ano, também está o general Luciano Benjamín Menéndez, ex-chefe militar argentino.
Fonte: Agência Brasil

Você também pode ler:

Justiça da Argentina condena 'Anjo da Morte' e outros 11 repressores da ditadura à prisão perpétua

2 comentários:

  1. olá ,camarada souza !.os países latinos do cone sul dão uma lição ao brasil em julgar e prender militares ,mas cuidado !! manifestações são feitas ainda hoje por melhorias e elas são reprimidas com tanta força quanto na época d ditadura seca -veja o caso da bolívia ,indigenas contra a construção de uma estrada foram mortos ,espancados e até presos . chile os estudantes também estão nas ruas e há uma grande luta contra a construção da usina de yasén ,tipo belo monte versão chile . paraguai sem terra enfrenta o mesmo problema que aqui .lá há brasileiros ocupando e excluindo gente da terra . brasil não julga nem prende faz o mesmo da época de 1500 -hoje - ,data da nossa tragédia .desde lá somos explorados e excluídos . valeu souza por divulgar notícias e educação . ps o jornal a verdade desse mês traz uma matéria sobre a operação condor e o pinheirinho .fora entrevistas sobre a comissão da verdade ,e matéria sobre o livro de amaury jr -a privataria tucana .está garantido o seu . abraço e viva a revolução socialista !!!

    ResponderExcluir
  2. Obrigado companheiro, é muito bom ler os teus escritos e realmente quanto a democracia e o socialismo, há muito ainda o que avançar na América Latina.Democratizar a comunicação, a educação e fazer as reformas política e tributária. Não vejo outro caminho.

    ResponderExcluir