Democratização da Comunicação, Reformas de Base e Direitos Humanos

31 de dezembro de 2010

Vannuchi diz que resgate da história da ditadura é bom para a sociedade e Forças Armadas

Dina e o marido Antônio do PCdoB, em plena selva. Os dois estão desaparecidos. 

Luzia Reis, a baianinha, momento após sua prisão em 1972, numa época em que o exército ainda fazia prisioneiros
 (Imagens da Guerrilha do Araguaia - Blog Professor Chicão)
Brasília – O ministro da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Paulo Vannuchi, defendeu hoje (30) o trabalho de continuidade do levantamento de dados referentes ao período da ditadura “dentro de uma mentalidade de maturidade e coragem”. Ele participou de lançamento de três livros e uma revista sobre direitos humanos e disse que esconder o que ocorreu durante o regime militar envolve “custos sociais e políticos muito maiores para as Forças Armadas e para a sociedade”.
Para Vannuchi, trazer transparência aos fatos desse período não é ser contra as Forças Armadas. “É contra as Forças Armadas quem sustenta que levantar a história do passado é revanchismo e que seria melhor deixar o assunto bloqueado e sufocado”, afirmou. Na avaliação do ministro, levantar o que ocorreu durante a ditadura não significa querer “condenar ninguém à masmorra, mas [o que se espera é] que o Judiciário decida se haverá punição com a Justiça restaurativa ou a aplicação de penas alternativas. Essa será a forma da sociedade saber quem matou Rubens Paiva ou Honestino Guimarães [perseguidos e mortos na ditadura]“, observou.

Segundo ele, revelar a verdade de um período tão crítico faz parte de um processo de reconciliação. “Em nenhuma situação, é possível construir a história fora de uma reconciliação sem preconceitos, discriminação, com violência ou com qualquer tipo de exploração”.
Vannuchi disse que o desafio para o próximo ano será aprovar o Projeto de Lei 7376 que cria a Comissão da Verdade. O ministro lançou os livros Retrato da Repressão Política no Campo, que conta a história de camponeses que viviam sufocados institucionalmente e ainda sofriam com a ação de jagunços; Tortura, obra com textos de autores que participaram do Seminário Nacional sobre Tortura, em maio deste ano, na Universidade de Brasília (UnB); e Direitos Humanos: a Atuação da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República entre 2003 e 2010, com oito capítulos e diversas abordagens temáticas, relatando os avanços históricos e institucionais nessa área.
Além dos livros, foi lançada também a revista Direitos Humanos, com ensaios, fotos, notícias e entrevistas sobre a luta pelos direitos humanos no Brasil e no mundo, com a participação de pessoas da área artística e cultural. Essa é a sétima edição da revista.
Lourenço Canuto
Repórter da Agência Brasil

Edição: Lana Cristina
do VirgulinoReiDoCangaço's blog 

Nenhum comentário:

Postar um comentário