Democratização da Comunicação, Reformas de Base e Direitos Humanos

4 de setembro de 2016

Os brasileiros vão às ruas neste domingo por democracia e direitos sociais


Ato contra o governo Temer, convocado pelas frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, supera expectativa de público. Líder do MTST, Guilherme Boulos diz que a mobilização é por ‘Diretas Já’

São Paulo – Perto de 100 mil pessoas reuniram-se na Avenida Paulista na tarde deste domingo (4), em ato contra o governo Temer, convocado pelas frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo. O ato é também contra o impeachment da presidenta Dilma Rousseff. O líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulos, disse em vídeo no Facebook que a mobilização é por ‘Diretas Já’ – “queremos definir quem vai ser o presidente do Brasil e nenhum direito a menos, porque esse golpe é contra a maioria do povo brasileiro”.

“Não vamos admitir repressão policial, Michel Temer fez uma provocação barata, falando em 40 pessoas e a nossa manifestação com 100 mil é a resposta a essa provocação e à repressão policial. Ela não nos intimidará”, afirmou ainda, fazendo referência a entrevista de Temer, ontem (3), na Folha de S. Paulo, em que ele desqualificou as mobilizações contra seu governo: "São pequenos grupos, parece que são grupos mínimos, né? (...) Não tenho numericamente, mas são 40, 50, 100 pessoas, nada mais do que isso", afirmou o presidente, que cumpre agenda em encontro do G20, na China. Na sexta-feira (2) ele afirmou: "Quem muitas vezes se insurge, como um ou outro movimentozinho, é sempre um grupo muito pequeno de pessoas. Não são aqueles que acompanham a maioria dos brasileiros”.

Às 17h30, a manifestação começou a se deslocar no sentido da Consolação e deve seguir até o Largo da Batata, em Pinheiros, zona oeste, passando pela Avenida Rebouças. Apesar de até agora o ato ocorrer de forma pacífica, houve momento de tensão, quando uma fila de policiais militares começou a chegar ao local, acompanhada de vaias e gritos de frases como "Queremos o Fim da Polícia Militar e Fascistas". Um dos manifestantes arremessou uma garrafa em direção aos policiais e um dos policiais ameaçou responder, mas isso não aconteceu. Do caminhão de som, os organizadores pediram calma aos manifestantes, pedindo que não respondessem a provocações.

Andando ao lado de Boulos, o senador Lindbergh Farias (PT-RJ), disse que “estamos aqui porque São Paulo está virando o centro da resistência contra o governo Temer. A direita dizia que aqui era deles, é o que estamos vendo são passeatas quase que diárias. Agora, a forma com que a Polícia Militar, do governo Alckmin, mas organizado com Temer, porque a gente sabe que o Alexandre Moraes, ministro da Justiça, era o secretário de Segurança de São Paulo, então, todos eles querem na verdade assustar as pessoas”, disse Lindbergh.

Em entrevista ao Mídia Ninja, a cartunista Laerte Coutinho falou sobre as 'Diretas Já' durante a concentração em frente ao vão do Masp: “Não vejo a história como repeteco, não estou achando que é a mesma coisa. E aliás, a bandeira de eleições gerais não sei se é unânime também. Talvez ela seja meio prematura, cá pra mim, que a recusa ao governo golpista ainda não está madura para propor uma saída só, mas eu acho cabível, vamos lá, eleições gerais, agora eu não sei se é um sentimento generalizado. Acho que muita gente ainda está na posição de retomar o curso do mandato da presidenta Dilma, que foi também uma das pessoas que propôs uma consulta popular na direção de uma eleição geral”.

Assista ao vivo pelo Mídia Ninja.



Ato em Copacabana mostra que cresce nas ruas o sentimento contra Temer

Rio de Janeiro – Os cariocas se reuniram hoje (4) para protestar contra o governo do presidente Michel Temer, em frente ao Hotel Copacabana Palace, na Praia de Copacabana, no Rio de Janeiro. O ato ocorreu menos de uma semana do impeachment da ex-presidenta Dilma Rousseff, pelo Senado, que levou seu ex-vice a assumir o governo. Outras manifestações populares estão marcadas em várias cidades do pais.

Victor Guimarães, representante do Movimento de Trabalhadores Sem Teto (MTST), disse que cresce nas ruas o movimento de resistência, apesar do boicote da mídia. Guimarães acredita que as pessoas estão atentas a retrocessos nas políticas públicas e direitos sociais. Como exemplo, cita a reforma trabalhista, em discussão no governo e o corte no Programa Minha Casa, Minha Vida.

"Na primeira semana de interinidade já suspenderam com uma canetada a contratação de dez mil moradias nos país", afirmou. "Dez mil famílias inteiras tiveram o sonho da moradia interrompido por uma canetada. Até hoje, não chamaram a gente para negociar, eles não conversam", afirmou, referindo-se à linha do programa que repassava recursos para organizações sociais construírem os prédios e que foi suspensa.

Segundo o representante MTST, o governo anunciou que voltaria atrás, mas não desbloqueou ainda os recursos de menos de 2% do programa nessa modalidade e que não passava pelas mãos de grandes construtoras.

Preocupada com o que chamou de retrocessos na educação, a jovem Maria Eduarda Luporini, de 16 anos também estava na manifestação. Para ela, os anúncios de reformas, incluindo privatizações e cortes de gastos públicos levará o ensino público ao colapso, principalmente o ensino superior com o qual ela sonha. "Esse governo só vai acentuar os problemas do país, quem mais vai se prejudicar são os trabalhadores e o pobres", disse.

Teresinha Martins Sobral, de 83 anos, aposentada, afirmou olhar com desconfiança para o novo governo. "Um governo que chegou aonde está por cima do voto popular não é legítimo", disse. Ela acompanha a situação política do país e diz que é a mais grave pela qual já passou.

"Já vi tantas coisas, mas de toda minha jornada de vida, isso é pior. As perdas diante do que tínhamos conquistado, de direito, minha sobrinha agora mesmo estava me falando do corte de verbas nas universidades, ou seja, é um golpe sobre as conquistas recentes."

Para ela, as pessoas têm mais consciência agora do que em 1964, quando os militares chegaram à presidência à força. Por isso, participam de protestos. "A manifestação é pacífica, por direitos, o brasileiro tem que se manifestar contra o golpe", afirmou Teresinha.

Também aposentada, a professora universitária, na faixa dos 60 anos, Beti Rabeti, identifica sinais de machismo no processo que tirou Dilma Rousseff do Palácio do Planalto, pelo Congresso, em um processo cuja legalidade é questionada por setores da sociedade.

"Há uma dimensão machista, até misógina, no fato de termos a primeira mulher presidenta afastada", afirmou. Ela não acredita em reversão, mas avalia que a resistência vai existir. " A luta política nunca foi e nem nunca será fácil. A esquerda hoje é mais necessária que nunca. A luta é contínua", disse.

Com frases bem-humorados contra o governo, como "Já falei, vou repetir, é o povo que tem de decidir", além de cartazes a favor de eleições, a manifestação seguiu em direção ao Canecão, tradicional casa de shows, ocupada pelo movimento "Ocupa Min".

A Policia Militar não faz estimativa de público em manifestações no Rio. Os organizadores da Frente Brasil Popular não passaram o número de participantes.

A assessoria do Planalto disse que, até o momento, não há previsão de o Palácio do Planalto se pronunciar sobre as manifestações contra o governo do presidente Michel Temer.

Na China, Temer disse que as manifestações que vem ocorrendo não representam a vontade da maioria. "Quem muitas vezes se insurge como um ou outro movimentozinho, é sempre um grupo muito pequeno de pessoas. Não são aqueles que acompanham a maioria dos brasileiros”, disse Temer, no último dia 2, a jornalistas que o acompanham na viagem.

Veja aqui imagens do evento no Rio de Janeiro:
1 - https://www.facebook.com/luizclaudiocunhasouza/posts/1317359778276975?pnref=story
2 - https://www.facebook.com/luizclaudiocunhasouza/posts/1317364534943166?pnref=story 

Com informações do RBA e Mídia Ninja

Nenhum comentário:

Postar um comentário