Democratização da Comunicação, Reformas de Base e Direitos Humanos

16 de abril de 2016

Rei do Funk peita Eduardo Cunha: no Rio, o morro vai descer domingo

Furacão 2000 defende Dilma Rousseff na orla de Copacabana

Rômulo Costa espera a presença maciça dos moradores de comunidades próximas, como Rocinha, Vidigal e Cantagalo.

O DIA, em 12.04.2016

Rio — A Furacão 2000 vai pela primeira vez à orla de Copacabana. E não se trata de um simples baile funk, mas de um ato contrário ao impeachment da presidente Dilma Rousseff. No domingo, dois carros de som serão responsáveis por mobilizar o povo contra o que a organização chama de “golpe”.

Rômulo Costa, fundador da Furacão 2000 e idealizador da manifestação, explica que a expectativa é colocar mais de 100 mil pessoas na orla. Para isso, conta com a presença maciça dos moradores de comunidades próximas, como Rocinha, Vidigal, Pavão-Pavãozinho e Cantagalo.

A fim de convocar os residentes de regiões mais afastadas da Orla, Costa tem uma ideia ambiciosa: negociar a liberação, durante um certo período de tempo, das catracas da Supervia e do Metrô Rio. Não há, porém, nada confirmado nesse sentido, assim como no que diz respeito aos MC’s que estarão no ato. “Teremos uma reunião amanhã (hoje) à noite para definir e liberar o nome deles”, esclarece.

Fã do ex-presidente Lula, Costa rechaça as críticas ao petista, principalmente a preocupação alheia com os bens do político. “Ele tinha que morar em um prédio de dez andares na Vieira Souto, por tudo o que já fez pelo país”, opinou.

O principal alvo do funkeiro é o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha. “Temos um presidente ilegítimo para comandar o processo. O paraíso fiscal do Cunha, no Rio, é a Assembleia de Deus”, acusa Costa, que, apesar de evangélico e frequentador da Igreja Universal, tece fortes críticas ao modo como as igrejas são conduzidas, com isenção de impostos. “E os evangélicos de Brasília não me representam”, concluiu.

PS do Viomundo: Isso me faz lembrar de um episódio que vivi com Renato Machado, nos bastidores da Globo. Fomos — eu e vários colegas da redação do Rio — a um famoso baile funk no Rio das Pedras. Todos estávamos curiosos para ver pessoalmente. Eu tinha visto o rap florescer em Nova York, nos anos 80, não queria perder a oportunidade. Na segunda-feira, quando ele soube de nosso programa — nós sempre nos demos muito bem — ficou horrorizado. De brincadeira, eu disse entre os colegas que estranhava que Renato tivesse tanta curiosidade pelas uvas, mas tão pouca pela cultura de concidadãos cariocas.

com informações de VIOMUNDO

Nenhum comentário:

Postar um comentário