Democratização da Comunicação, Reformas de Base e Direitos Humanos

27 de março de 2012

Ato no Rio de Janeiro, contra a comemoração do golpe de 64

No vídeo abaixo, o cineasta Silvio Tendler convoca a população para um ato, no Rio de Janeiro, contra a comemoração do golpe de 64. O protesto acontecerá nesta quinta-feira (29), em frente ao Clube Militar, na Cinelândia, a partir das 14h.

A manifestação ocorre na mesma hora e local em que os militares pretendem  "comemorar" o que eles insistem em chamar de "revolução" de 31 de março de 1964 - que inaugurou um dos períodos mais negros da história do Brasil, a ditadura militar.
Desde o último ano, a presidente Dilma Rousseff determinou o fim desta celebração nas Forças Armadas. Mesmo assim, os militares distribuíram convites para o ato, chamado por eles de “1964 – A Verdade”.
O evento dos militares desta quinta ocorre um mês após o lançamento de um manifesto em que eles cobram da presidente uma postura contrária à Comissão da Verdade e à revogação da Lei da Anistia. Entre seus painelistas está o general Luiz Eduardo Rocha Paiva.
Na contramão dos anseios do povo, o militar já deu declarações contra a Comissão da Verdade, além de sugerir que Dilma Rousseff seja convocada a depor sobre atos da organização política de esquerda VAR-Palmares, da qual ela fazia parte na época da ditadura.
No vídeo, Tendler fala um pouco sobre o que representou o golpe de 64 para o país, lembrando assassinatos, torturas e desaparecimentos. "É inadmissível que exista gente que ainda hoje pretenda comemorar o golpe de 64. É inadmissível que se usem espaços públicos para comemorar a implantação de uma ditadura que destruiu uma geração inteira do país", diz ele.

"Convoco todas as pessoas com ideais democráticos a se encontrarem na frente do clube militar para manifestarem seu apreço pela liberdade, pela democracia e pelo direito de expressão", conclama o cineasta.

Ato contra a comemoração do golpe de 64
Dia 29/03/2012 (quinta feira)
Local: Em frente ao Clube Militar, na Cinelândia.
Av. Rio Branco, 251 - Rio de Janeiro
Horário: 14 horas

Fonte: Rede Democrática

2 comentários:

  1. temos sim que apontar todos que participaram da repressão militar - civil , 64 estava inserido no contexto da guerra fria e defendia o capitalismo ; sistema de tortura e dominação de povos . o capital só destrói a humanidade . o dinheiro é prisão !! liberdade é educação e cultura critica. há uma barracha nos livros de história e na mídia burguesa .muitos dizem ter sido censurados e perseguidos .isso dá ibope e votos .oportunistas .temos que tirar do poder gente que está critalizado , como o sarney . 64 ainda está vivo e, por isso, não devemos abaixar a guarda . a carta capital mostrou que o exército tem um manual de vigilância sobre o povo . todos os anos ,eles, os militares comemoram essa data escura .vamos comemorar ,mas pertubando e exigindo verdade e justiça.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro leitor, obrigado por comentar e o parabenizo por enxergar como condição para a liberdade, a educação e a cultura crítica. E temos que demonstrar nossa indignação com o fato de ainda existirem grupos que defendem golpes contra o país,contra a democracia e até mesmo tortura e extermínio de nossa gente.

      Excluir