Democratização da Comunicação, Reformas de Base e Direitos Humanos

28 de abril de 2011

CUT-MS lança site e realiza oficina sobre democratização da comunicação

Com o lançamento do seu site oficial e de uma oficina sobre democratização da comunicação, realizados na última segunda e terça-feiras, a Central Única dos Trabalhadores no MS dá passo decisivo para dinamizar as informações, melhor integrar as entidades filiadas e potencializar as relações com os movimentos sociais no estado.

Na cerimônia realizada na noite do dia 25 de abril, na sede da Federação dos Trabalhadores na Educação do MS, dezenas de dirigentes dos telefônicos, eletricistas, bancários, servidores municipais, alimentação, construção civil, vigilantes, assuntos comunitários, correios, transportes coletivos, educação, saúde, além da OAB-MS e CREA-MS e do movimento social da Economia Solidária, sublinharam que a data se converte num marco para os trabalhadores do Estado.


Presente ao ato, a secretária de Comunicação da CUT Nacional e representante da Central na Coordenação dos Movimentos Sociais, destacou que o momento é muito oportuno para que as CUTs estaduais ocupem maior espaço e participem mais efetivamente dos embates, de forma mais unificada e eficiente. “Uma comunicação ágil faz toda a diferença neste mundo globalizado e não podemos ficar alheios a esta realidade. Para avançar nas conquistas da classe trabalhadora, é preciso que tenhamos voz. Daí a necessidade de construir, ampliar e fortalecer os nossos próprios meios de comunicação”, declarou Rosane Bertotti.



Entre os principais desafios colocados no horizonte do sindicalismo cutista no Mato Grosso do Sul encontra-se a implantação de um Conselho de Comunicação Estadual para democratizar a comunicação que, reproduzindo o triste figurino nacional, continua concentrada nas mãos de poucas famílias.


Para o presidente da CUT-MS, Jefferson Borges Silveira, a simples existência do site, que passará a contar com atualizações diárias e a participação das diversas categorias, será um poderoso contraponto à desinformação, à invisibilidade e à criminalização dos movimentos sociais. “A partir de agora vamos ter muito melhores condições de levar a nossa pauta ao conjunto da sociedade”, avalia.


Rosane relembrou aos presentes que a CUT nasceu para defender os interesses dos trabalhadores e que, portanto, é preciso ir além, indo para o embate na defesa de um projeto de país, colocando o sindicalismo no combate para construir uma outra relação com o Estado nas questões políticas, econômicas e sociais. A secretária nacional de Comunicação lembrou ainda que não existe nenhuma conquista obtida pelos trabalhadores que não tenha a marca da CUT, que sempre participou dos mais importantes e significativos movimentos políticos e sociais do Brasil, culminando com  as transformações presenciadas atualmente. “É preciso disputar a hegemonia e isto passa por termos nossa própria comunicação, que deve ser ágil e eficiente”, acrescentou.


BANDA LARGA PARA TODOS -Ainda durante o lançamento do site da CUT-MS, Campo Grande se incorporou ao lançamento nacional da Campanha “Banda Larga é um Direito Seu - Uma ação por uma internet barata, de qualidade e para todos”, somando a outras plenárias realizadas simultaneamente em São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador e Brasília. Como afirma o manifesto da campanha, a banda larga no Brasil é cara, lenta e para poucos, e chegou o momento de todos os brasileiros pressionar o poder público e as empresas para mudar essa situação.


O lançamento do Plano Nacional de Banda Larga em 2010 foi um passo importante para democratizar o acesso à internet, mas não foi o suficiente. O modelo de prestação do serviço no Brasil faz com que as empresas não tenham obrigações universais. Elas ofertam o serviço nos grandes centros populacionais e cobram preços impossíveis praticados para a população de baixa renda fora dos grandes centros urbanos. Em Mato Grosso do Sul, dos 78 municípios existentes, apenas seis serão contemplados com internet banda larga com fibra ótica. Um grande absurdo, que precisa ser corrigido, apontaram os participantes.


O propósito da campanha é “colocar o bloco na rua”, conclamando blogueiros, ativistas da cultura digital, entidades de defesa do consumidor, sindicatos e centrais sindicais, organismos não-governamentais, coletivos, usuários com ou sem internet em casa, todos aqueles que acham que o acesso à internet deveria ser entendido como um direito fundamental. A intenção é formar uma grande corrente de vigília permanente em defesa do interesse público na implementação do Plano Nacional de Banda Larga e da participação da sociedade civil nas decisões que estão sendo tomadas.


OFICINA DE COMUNICAÇÃO – Durante toda a terça-feira, no auditório da Fetems, foi realizada uma oficina com o  assessor de Comunicação da CUT Nacional, Leonardo Severo, que debateu sobre o papel da Imprensa Sindical na disputa de hegemonia. A política de estruturação dos sites das CUTs estaduais e o fortalecimento da TV e da Rádio webs da CUT, apontou, colocaram a comunicação da Central num novo patamar, que deve avançar cada vez mais à medida em que haja maior envolvimento dos estados e Ramos. Entre as várias citações de jornalistas e pesquisadores, Leonardo enfatizou a de Osvaldo León, da Agência Latino-americana de Informação, que reitera a importância de que tenhamos a nossa própria voz, para não virarmos refém dos interesses de uma mídia que transforma a comunicação em mercadoria.


De acordo com a secretária estadual de Formação Sindical da CUT-MS, o lançamento do site e a oficina reafirmaram a necessidade de ampliar - e qualificar - o diálogo com a base, envolvendo o conjunto dos sindicatos para uma comunicação de combate por uma nova sociedade. “Na primeira semana de julho teremos o nosso seminário estadual de formação e já reservamos espaço para uma oficina de Comunicação no dia 8. É um tema atual, estratégico, e que o conjunto dos companheiros e companheiras precisa se apropriar de uma forma mais plena”, acrescentou Sueli.

Fonte: Portal Mundo Sindical

Nenhum comentário:

Postar um comentário