Democratização da Comunicação, Reformas de Base e Direitos Humanos

14 de janeiro de 2011

Liberdade de expressão? Sítio de notícias Cubadebate fechado pelo Google

O site de notícias cubano Cubadebate denunciou nesta quinta (13) que o Google fechou sua conta no YouTube. A razão seria infração de direitos autorais em um vídeo sobre o terrorista contrário ao governo da ilha, Luis Posada Carriles. O Cubadebate questionou os motivos verdadeiros da medida, que classificou como um atentado à liberdade de expressão.

O vídeo ao qual se referiu o YouTube foi editado de um material bem mais amplo que circulou na rede e tinha sido reproduzido em vários sites e demais veículos, sem autoria. Nenhum deles foi punido.

"O extraordinário é que o YouTube está infestado de vídeos que apresentam informações manipuladas e tendenciosas sobre Cuba, com imagens roubadas do site Cubadebate no Youtube, sem que o Google os tenha retirado de sua rede social, mesmo que tenhamos feito declarações a respeito", criticou o site prejudicado.

Ex-agente da CIA, Posada Carriles - tema do vídeo em questão -, é o responsável por um atentado a bomba contra um avião da Cubana de Aviação, que matou 73 pessoas em 1976, e fugiu do cárcere venezuelano onde cumpria uma condenação por esse crime.

O fechamento da conta do Cubadebate acontece no momento em que Carriles está sendo julgado nos EUA por 11 acusações de fraude, perjúrio e falsas declarações à Emigração, após ter entrado clandestinamente no país, em 2005.

Ele também é acusado de prestar falso testemunho há cinco anos, quando foi questionado por uma série de ataques que aconteceram em 1997 contra hotéis em Havana. A primeira testemunha do caso foi ouvida nesta quinta (13). O julgamento, contudo, é considerado por especialistas um deboche à justiça, pois se trataria de uma tentativa de evitar uma extradição solicitada pela Venezuela.

Apontado pelo YouTube como motivo para o fechamento da conta do site cubano, o famoso vídeo sobre o Fundo Legal constituído para apoiar Posada Cariles ante o julgamento que ocorre em El Paso, no Texas, contém, além do que foi publicado pelo Cubadebate, uma lista dos principais contibuintes. Entre eles, estão a representante republicana Ileana Ros Lethinen, o senador Marco Rubio, que porpõe ações violentas contra Cuba e outras figuras políticas do estado da Flórida.

O Cubadebate - que contava em seu canal com 400 vídeos e 1,6 milhões de acessos desde sua abertura há três anos - condenou o fato, afirmando se tratar de um "atentado contra a liberdade de expressão de um site alternativo de um país bloqueado econômica, comercial e financeiramente pelos Estados Unidos há quase meio século".

"Como consequência do bloqueio, para o site, cujo acesso à Internet é via satélite e que não dispõe de recursos para servidores multimídia próprios, é impossível comprar com exclusividade materiais produzidos nos Estados Unidos, particularmente aqueles que revelam a impunidade dos terroristas em Miami e que, por essa razão, são relevantes para nossa produção informativa”, colocou o Cubadebate.

A decisão do YouTube desatou um movimento de protestos e solidariedade com a página cubana. "Com rapidez, surgiram em outros meios alternativos espaços para reproduzir a informação diária do Cubadebate, o que constitui um revés para a tentativa de calá-lo", disse Rosa Miriam Elizalde", editora chefe do site.

No Facebook, um grupo registrado protesta com o título: "Não + censura no YouTube", enquanro outros meios alternativos reproduzem a indignação. Segundo Elizalde, o fechamento da conta é significativo, já que o vídeo que serviu de justificativa para o ocorrido foi publicado em vários espaços, dentro e fora da rede, inclusive pela rede norte-americana CNN.

Elizalde questiona por que penalizar o Cubadebate por publicar um extrato de seis minutos desse vídeo e não fazer o mesmo com diversas publicações norte-americanas que roubaram materiais exclusivos desse meio sem mencionar sua autoria. "Isso faz pensar em uma agressão de tipo político", disse.



Portal Vermelho

Nenhum comentário:

Postar um comentário