Democratização da Comunicação, Reformas de Base e Direitos Humanos

10 de dezembro de 2010

DH e MEC lançam hoje o CD-ROM “Direito à Memória e à Verdade”

Carlos Collen Leite o Bacuri


"Principalmente os jovens de hoje, completamente desinformados por uma mídia partidarizada e ainda concentrada nas mãos dos que desferiram o golpe civil-militar de 1964, esses,  aos poucos, vão conhecendo a verdade sobre a história recente do nosso país. E finalmente podem enxergar quem eram na verdade os presos, torturados e "desaparecidos", pelos que a pretexto de uma "ameaça comunista", assaltaram o país por vinte e um anos, impedindo as reformas de base do  governo João Goulart e o sonho de se ter um país desenvolvido, justo e soberano. Quem sabe até um dia, os que ousaram resistir, de subversivos, ladrões de bancos e terroristas, passem a ser reconhecidos como heróis. Com certeza também neste dia teremos uma pátria e esta pátria será nossa." - um desabafo deste blogueiro.


A Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) e o Ministério da Educação (MEC) lançam o CD-ROM “Direito à Memória e à Verdade”,  na sexta-feira (10), em Brasília (DF). Os ministros Paulo Vannuchi (Direitos Humanos) e Fernando Haddad (Educação) participam da cerimônia.

O CD-ROM “Direito à Memória e à Verdade” resgata parte da história recente do País, recuperando a trajetória de aproximadamente 450 brasileiros, em sua maioria opositores políticos da ditadura, que foram mortos ou ‘desapareceram’ por ação de autoridades públicas durante os anos de 1962 a 1985. Além do conteúdo do livro homônimo, lançado em 2007 pela Secretaria de Direitos Humanos, o CD traz imagens, trechos de músicas e cenas do Brasil daquela época.



Na avaliação do coordenador do projeto Direito à Memória e à Verdade, Maurice Politi, da SDH/PR, o CD-ROM vai contribuir para a difundir o conhecimento sobre esse período da história brasileira, sobretudo entre os mais jovens. “O objetivo é transformar o livro num instrumento pedagógico mais acessível e atraente ao público mais jovem, para que mais pessoas possam conhecer e contextualizar a época da ditadura”, afirma. O projeto do CD-ROM foi desenvolvido em parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Recursos multimídia – As imagens e os trechos de músicas e filmes “transportam” o usuário do CD-ROM para o Brasil daquela época, que compreende 23 anos muito importantes da história recente do País: da derrubada do governo de João Goulart ao regime autoritário que ocupou o poder durante as duas décadas que se seguiram ao 31 de março de 1964.
O objetivo do projeto multimídia é recuperar a trajetória da vida dos quase 450 brasileiros, em sua maioria opositores políticos da ditadura, que foram mortos ou estão desaparecidos por ação de autoridade pública entre 1962 e 1985.
O CD-ROM, fruto do trabalho de dois anos do Projeto República, da Universidade Federal de Minas Gerais, apresenta uma narrativa que combina três instâncias do passado: a experiência individual; o contexto histórico em que o indivíduo buscou intervir; e o tipo de intervenção que sua ação constituiu no cenário das forças políticas da época.
Logo na abertura são exibidas as fotos das pessoas mortas durante a repressão ou que ainda estão desaparecidas. Passando o mouse em cima do retrato é possível identificar nome e data da morte ou do desaparecimento. Quando se clica em cima da pessoa, sua foto é ampliada e, ao lado, aparecem imagens de acontecimentos políticos contemporâneos, tanto nacionais como internacionais, capas de discos, livros e outras imagens, todas acompanhadas da descrição do contexto daquele momento histórico.
O CD-ROM reproduz e amplia o conteúdo do livro “Direito à Memória e à Verdade”, um relatório da Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos, da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, que foi lançado no ano de 2007 pelo governo federal. No documento, em que o Estado brasileiro reconhece a responsabilidade por violações dos direitos humanos, é contada a história das vítimas do último período de ditadura no Brasil, resgatando a trajetória de operários, estudantes, profissionais liberais e camponeses que se engajaram em organizações de esquerda para combater o regime militar.
Nesse sentido, o livro-relatório e o CD-ROM têm como objetivo contribuir para que o Brasil avance na consolidação do respeito aos Direitos Humanos, sem medo de conhecer a sua história recente.

Lançamento do CD-ROM “Direito à Memória e à Verdade”Data: 10 de dezembro de 2010
Horário: 10h30
Endereço: auditório do edifício sede do Ministério da Educação ( MEC),  Esplanada dos Ministérios, Bloco L, Térreo, Brasília (DF)





Nenhum comentário:

Postar um comentário